Conheça as várias opções para quem quer viajar ou morar fora sem gastar fortunas com estadia e, de quebra, ainda se aprofundar na cultura local ou aprender um novo idioma.

Hospedagem é sempre o maior gasto em qualquer viagem longa. Mesmo que você encontre aquela promoção aérea imperdível, quando você joga na ponta do lápis, os custos com hospedagens sempre fazem pensar duas vezes antes de ficar uns dias a mais. A boa notícia é que existem várias alternativas que foram criadas justamente para acabar com este problema.

Leia Mais:

4 apps de edição que irão deixar suas fotos de viagem incríveis

Tudo que você precisa para enfrentar o medo de viajar sozinha!

Vou listar aqui 5 ferramentas que irão te ajudar muito a viajar sem pagar hospedagem:

1 – Encontre alguém que possa te hospedar

A forma mais prática, rápida e colaborativa de viajar sem pagar hospedagem é encontrar alguém que esteja disposto a te ajudar. É claro que isso não é nenhuma novidade, levando em conta que muito antes da internet existir os andarilhos e peregrinos nunca se intimidaram por falta de um teto para dormir, pois sempre contaram com pessoas acolhedoras pelo caminho.

No entanto, a tecnologia de hoje em dia tem facilitado (e muito!) essa conexão entre quem precisa de um lugar para dormir e quem quer receber alguém em casa.

Entre as principais redes, as que mais se destacam são:

– COUCHSURFING 

Funcionando como uma espécie de rede social colaborativa de viajantes, o Couchsurfing tem se tornado cada vez mais popular no mundo todo e aos poucos vem conquistando seu espaço no Brasil.

A proposta é bastante simples: você pode se hospedar na casa de pessoas que moram no local por onde você está viajando ou também pode receber viajantes, caso tenha um cantinho sobrando em sua casa.

Couch“, em inglês, significa sofá e “surfing” você já sabe! 🙂 Assim não é difícil imaginar que esse cantinho onde você vai dormir pode variar desde um sofá na sala de um pequeno apartamento até um quarto inteiro em uma casa de família.
O legal é que tudo isso está descrito no perfil das pessoas na rede, assim como qualquer outro tipo de informação, curiosidades e referências positivas ou negativas de quem hospeda e é hospedado, para manter a segurança em primeiro lugar.Existem diversos sites do mesmo estilo, mas o Couchsurfing é o mais reconhecido e completo de todos.

Claro que a ideia da comunidade não é apenas oferecer um local de graça para você dormir. Portanto, se a sua intenção é apenas poupar dinheiro na hospedagem, é bom rever suas ideias. Afinal, o couchsurfing existe com intuito de ser uma troca cultural entre quem está viajando e quem quer viajar um pouco sem sair de casa.

Para ser um couchsurfer, é fundamental estar aberto para conhecer novas culturas, tentar compreender novos idiomas por mais que você não os fale, trocar conhecimentos e experiências ou apenas ser uma companhia agradável para seu anfitrião.

Pense sempre que ninguém quer colocar um estranho gratuitamente dentro de casa sem ter nem assunto para conversar com esta pessoa. Portanto, seja uma boa companhia e você terá o mesmo em troca! 🙂

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

Uma dica para viajar sem pagar hospedagem com mais facilidade é pedir para que seus amigos e conhecidos escrevam referências sobre você. Tente deixar a descrição do seu perfil na rede bem completa com informações e fotos simpáticas, de preferência – isso aumenta a confiança de ambas as partes e é essencial para manter a comunidade ativa.

– SERVAS 

Para quem se identifica com a ideia do Couchsurfing, mas não consegue aderir porque o medo e a insegurança falam mais alto é importante saber que isso é bem normal. Foi pensando nisso que o Servas surgiu com uma proposta diferente e mais exclusiva.

Com um público bastante selecionado que passa por um processo de entrevista obrigatória e alguns pré-requisitos, a comunidade prioriza segurança acima de tudo e, como ônus, acaba se tornando mais fechado, demanda mais tempo e dedicação para quem quer entrar na comunidade.

Para entrar, é preciso entrar em contato com os responsáveis pelo processo seletivo através do site e ter um comprovante de endereço fixo, além de um caráter exemplar (imagino eu! rs).

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

2 – Cuidador de casas / house sitter

Quem viaja e tem uma casa para deixar, sempre vai com aquela preocupação em pedir para alguém acender as luzes esporadicamente, ou que cuide dos cachorros, regue as plantas ou apenas confira se está tudo bem.

Pode soar um pouco estranho, pois isso ainda não se popularizou no Brasil. Eu admito que para esta opção é necessário um nível bem alto de desapego, mas é isso mesmo que você está imaginando: enquanto alguém viaja, você viaja também. Porém, fica responsável em cuidar da casa de outra pessoa e ter a experiência de vivenciar uma cultura diferente da forma mais autêntica possível por algumas semanas ou até meses. Parece coisa de filme, né?!

A ideia destes sites é que a experiência seja uma troca, assim você libera sua casa para a mesma pessoa que irá liberar a casa dela. Além disso, o site também funciona para quem não possui casa e apenas está disposto a ser cuidador. Nada mal esse jeito de viajar sem pagar hospedagem, não é?

Eles também possuem a opção de deixar animais de estimação, partindo do princípio que é muito difícil viajar com o seu bichinho e também muito traumática a mudança de rotina e ambiente para o animal que não está acostumado… dessa forma, seu pet fica no conforto de casa e com alguém que adora animais cuidando dele pra você! 🙂

A possibilidade de morar em outro local por um período sem ter o transtorno da mudança é maravilhosa. Existem diversos sites que oferecem esta troca de favores, o mais popular deles é o Trusted House Sitters.

O único gasto que você terá é uma pequena taxa de inscrição no site que normalmente varia entre US$20 a US$60 por ano.

Outros sites reconhecidos que oferecem um serviço parecido são:
HOUSE CARERS
MIND MY HOUSE 
HOUSE SIT MATCH 

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

3 – Troque suas habilidades de trabalho por hospedagem

Uma das opções mais comuns e legais de morar fora da sua cidade ou país sem pagar moradia é trocar trabalho por hospedagem.

Pode ser visto como uma espécie de trabalho voluntário, mas pra mim trata-se de uma permuta bastante justa: o maior gasto que você tem durante uma viagem é com hospedagens e o maior gasto que um estabelecimento tem é com funcionários – um ajuda o outro e todo mundo sai ganhando!

Essa também é uma excelente alternativa para quem está mudando de cidade para tentar a vida em outro lugar, está indo temporariamente para estudar e tem tempo livre ou simplesmente porque quer ter a experiência de morar em outro local, mas não tem dinheiro ou tempo para investir alugando um apartamento. Além de não precisar pagar para ter o seu cantinho, você conhece pessoas do mundo inteiro, pode desenvolver novas habilidades de trabalho, aprender um novo idioma e viver em um ambiente multi-cultural e super divertido!

O seu trabalho varia conforme a necessidade de cada estabelecimento, e pode ir desde um cargo comum na recepção de um albergue até diversos outros mais específicos como decorador de ambientes, mídias sociais, organizador de festas, bartender, fotógrafo, designer, músico, instrutor de ioga ou qualquer outra habilidade que você tenha para oferecer.

Isso já existe há muitos anos e você sempre tem a possibilidade de bater na porta de um hostel, por exemplo, fazendo sua proposta. Porém, hoje em dia muitos sites fazem essa ponte pra você e te dão mais segurança na hora de se aventurar no desconhecido.

Dica: Lembre-se sempre que seu trabalho é uma TROCA e você tem direito ao seu tempo livre como em qualquer trabalho – é bem importante ter isso em mente para não ser “sugado” pelo seu trabalho.

Para quem quer longas estadias ou busca mais comodidade e segurança:

Um dos sites que eu mais gosto e que já trabalhei é o brasileiro Worldpackers, que conta com uma assistência particular para cada colaborador no mundo inteiro – ideal para quem nunca fez este tipo de troca e tem dúvidas de como funciona, pois você terá uma consultoria especial para tirar todas as suas dúvidas e te ajudar a escolher a melhor opção de trabalho para o seu caso.

O Worldpackers também é ótimo para quem vai ficar um longo prazo no local, pois eles cobram uma taxa por cada trabalho adquirido e não anual, como a maioria dos sites do gênero. Além de hosteis, o site também conta com outras instituições que fazem a mesma permuta, como escolas que trocam aulas de idiomas por hospedagem e trocas legais do tipo.

Para quem já está na estrada ou busca algo mais rápido:

Se você não tem a intenção de ficar tanto tempo em um só local e prefere um jogo rápido, o site mais indicado é o Workaway, que acaba saindo muito mais barato que o Worldpackers se você trocar de lugar com frequência.

No entanto, o Workaway é ideal para quem já tem uma certa experiência com isso ou para quem tem menos receios, já que a plataforma funciona de forma totalmente independente e cada usuário faz sua experiência da forma que bem entender sem nenhum tipo de assistência. Por conta disso, a oferta deles é muito maior e a taxa cobrada para ser usuário do site é de anuidade, já que seu giro de um local para outro será muito mais frequente neste caso.

4 – viva em uma fazenda orgânica

Uma coisa é fato: é muito difícil viajar barato e manter uma alimentação saudável – eu mesma sofro diariamente com isso. Pensando em fomentar o conhecimento sobre alimentação orgânica e também estimular a cultura colaborativa no mundo, uma organização mundial criou algo simples que acabou gerando uma verdadeira tendência entre viajantes e automaticamente mais consciência na nossa alimentação e nossos hábitos.

A ideia do WWOOF, o site pioneiro neste tipo de permuta de trabalho por hospedagens, é conectar fazendeiros e produtores orgânicos com voluntários que queiram trabalhar e adquirir conhecimento nessa área.

Como troca, as fazendas oferecem moradia e alimentação para os voluntários e o tempo da permuta é bastante flexível, além de você ter a oportunidade de conhecer fazendas de diferentes tipos no mundo todo.

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

5 – Durma em templos que recebem peregrinos

Essa opção é bastante comum nos países asiáticos. No entanto, onde há templos, normalmente também há essa opção de viajar sem pagar hospedagem.

Algumas religiões são famosas por receberem muito bem pessoas de qualquer crença e oferecem, além de um abrigo seguro para dormir, alimentação gratuita ou por um preço de custo.

É o caso de muitos templos budistas/monastérios, templos Hare Krishna, templos da religião Sikh (conhecidos como Gurdwaras) e algumas outras religiões geralmente asiáticas.

A maioria dos templos possuem sites. Portanto, basta procurar no Google conforme o local onde você está viajando e entrar em contato. Se você chegar diretamente no templo você também será muito bem recebido, se houver vagas.

De forma geral, estes templos funcionam por doações 100% espontâneas sem nenhum tipo de pressão ou pedido, portanto não há nenhum problema em se abrigar no local sem vínculo com o templo ou sem colaboração. Os dormitórios são bastante simples, mas organizados, sempre silenciosos e com tudo que você precisa nas necessidades básicas – os refeitórios seguem a mesma ideia e só possuem comida vegetariana que normalmente é um dos princípios destas religiões, muito gostosa e nutritiva.

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

viajar sem pagar hospedagem Foto: Patricia Schussel

Eu optei por listar sites e ferramentas que facilitam sua vida na hora dessa decisão, mas é claro que, além dessas opções, existem maneiras mais primitivas de viajar sem pagar hospedagem: dormir no carro, acampar, dormir ao relento, optar por transportes noturnos de viagem ou a boa e velha cara de pau para bater na porta de alguém pedindo abrigo.

E você? Qual foi sua experiência de viajar sem pagar hospedagem? Tem alguma outra sugestão pra compartilhar aqui com a gente? 🙂