O Egito é um país cheio de mistérios, dono de uma riqueza histórica imensurável e muitos tesouros arqueológicos que encantam a todos e despertam desde muito cedo a vontade dos viajantes a pisar nessa terra.

A primeira impressão de quem ali chega é de caos devido ao seu trânsito caótico e barulhento e de uma cidade marrom por suas construções, poeira e poluição. Mas bastam alguns minutinhos percorrendo suas ruas para sentir seu ar mágico, sua intensidade e se deixar levar pelo fascínio de sua história impregnada por todos os cantos.

O turismo ainda é bastante afetado pela fama de país conflituoso, portanto os que circulam são bastante assediados por gorjetas ou tentativas de vendas, mas sempre respeitosamente, apesar de algumas vezes até formar aglomerações ao redor dos turistas.

De maneira geral, nos sentimos bastante seguros. Saímos inclusive da rota turística da cidade e não percebemos nada que nos pudesse nos preocupar.

O que fazer?

Pirâmides de Giza:

É certamente para conhecê-las que muitos viajam até o Egito. As majestosas pirâmides são o cartão postal do Egito e a única das 7 maravilhas do mundo antigo que ainda existe! Estão localizadas na Grande Cairo, a apenas 28km do centro da cidade, e para chegar até elas você pode contratar um tour em uma das inúmeras agências de viagem na cidade ou nos próprios hotéis (um pouco mais caro). Geralmente os tours incluem as Pirâmides de Djoser e Dashur, onde é possível entrar sem pagar ticket extra, diferentemente de Giza.

Se preferir economizar, é possível ir de metrô até a estação Giza Railway e um táxi a partir daí. Opte pelos táxis brancos e sempre exija o taxímetro ou negocie os valores antes de entrar.
Chegando cedinho, evitará o fluxo de turistas e o calor ardente. Mas no final do dia, a luz é mais linda, deixa o pedacinho de deserto e as pirâmides mais amareladas e sua vista será ainda mais deslumbrante. =)

Para ter uma bela visão das pirâmides é preciso caminhar bastante e devido ao calor e a longa distância pela areia, optamos por fazer o trajeto de camelo. O passeio dura cerca de 40min e custa 100 libras egípcias. Pode percorrer esse caminho a pé, mas vá preparado!

City tour no Cairo:

Entre um passeio e outro, você pode ir de metrô, táxi ou contratar um carro privado para visitar os bairros antigos, Islamic Cairo e Caoptic Cairo, conhecer um pouco da cultura do povo, observar a movimentação nas ruas, a forma como as pessoas se vestem e se relacionam, passear pela Mesquita, conhecida como Citadel, e claro, o museu de arqueologia de Cairo, que é um dos pontos mais incríveis dessa cidade, onde podemos ter um contato mais próximo dessa história milenar e admirar de pertinho a múmia Tutacâmon. Negociando bem, o tour privado é a melhor opção porque acompanha um guia que vai te contar toda a história dos pontos que visitar e aí que mora a magia, não é mesmo?

Nilo:

O Nilo é o presente do Cairo. Não deixe de jantar em algum dos inúmeros barcos ou restaurantes em suas margens.

o que fazer no cairo por joli ribeiro

Vista da cidade do Cairo

Dicas:

Visto:

Há exigência de visto e a instrução para essa solicitação é que o passaporte seja enviado à Embaixada em Brasília ou para o Consulado no RJ por Sedex. Entramos em contato e nos informaram que poderíamos também aplicar o visto no desembarque no aeroporto internacional do Cairo pagando a taxa de 25 dólares. Optamos, obviamente, pela segunda opção e foi muito simples e rápido.

Vacinas:

Carteira Internacional de Vacina contra Febre Amarela é exigida, mas não nos solicitaram.

Moeda:

Libra egípcia

Idioma:

Apenas nas proximidades aos pontos turísticos e nos hotéis que há muitos locais que falam inglês. Já nas zonas mais afastadas, a mímica funciona muito bem!

Onde se hospedar:

Aproveite que a oferta de hotéis é alta e opte por um bom hotel com diárias não muito abusivas. Nos hospedamos nas margens do Nilo e achei ótimo, pois podíamos caminhar tranquilamente sozinhos a noite e o acesso era fácil para qualquer outro ponto da cidade.

Encontre sua hospedagem no Cairo AQUI.

Melhor época:

Temperaturas mais amenas entre outubro e maio. Fomos em fevereiro e durante o dia fazia calor, não ultrapassando muito dos 30°C e durante a noite as mínimas eram próximas aos 15°C.

O que levar:

Roupas leves para o dia, mas sempre lembrando que está visitando um país muçulmano e que é respeitoso estar sempre com ombros e pernas cobertos. Para mulheres, aconselho carregar sempre um lenço na bolsa ou já integrá-lo ao look, assim poderá cobrir melhor o colo ao entrar em alguma mesquita ou restaurante frequentado por locais. Não esqueça o protetor solar e labial, mesmo nos dias mais nublados. Hidratante e rinosoro também serão fundamentais, devido ao ar muito seco.

Cuidado:

Consuma apenas água engarrafada. É comum ouvir turistas contando seus perrengues após consumir água ou suco sem saber a procedência. Não tivemos nenhum problema, mas não arriscamos sequer a escovar os dentes com água da torneira! rs

A última dica é:

vá e vá sem medo! Foi um dos destinos mais incríveis que já conhecemos e daqueles que a gente pensa sempre em voltar!