A China pode ser um país um tanto caótico em sua maioria, mas se você procura paz e uma natureza exuberante longe da poluição e caos das metrópoles chinesas, você está no lugar certo!

Antes da popularização dos blogs de viagem e Instagram, era difícil encontrar lugares fora do eixo turístico, especialmente quando se trata de um país como a China.
Quando eu estava com dúvidas se incluiria ou não o país no mochilão que estava fazendo pela Ásia em meados de 2012, comecei a pesquisar sobre destinos de natureza na China e dei de cara com uma matéria cujo título era “10 paisagens que você não vai acreditar que existem!”.
Isso já faz tempo e é claro que eu sequer me lembro o nome do site, mas lembro muito bem do título pois, mesmo depois de conhecer este paraíso, eu ainda reluto por acreditar que isso exista.

Leia Mais:

Conheça Kerala, no sul da Índia 

5 formas de viajar sem pagar hospedagem

As 7 melhores ciclovias do mundo

Entre as 10 paisagens, eu vi um nome que me levou até a China sem que eu nem soubesse como eu chegaria até lá:

JIUZHAIGOU VALLEY

A mãe natureza não pensou duas vezes ao ser extremamente generosa com o Parque Nacional de Jiuzhaigou, um paraíso na borda do planalto tibetano recheado de lagos daqueles de dar inveja em qualquer filtro de Instagram. A reserva natural é composta por três vales com incontáveis lagos, piscinas naturais e cachoeiras que se estendem por mais de 700km² nos mais variáveis tons de azul e verde. O que gera essas cores tão impressionantes é o alto nível de minerais contidos na água e depositados nas pedras submersas. O curioso é que este paraíso, declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é extremamente turístico entre os chineses mas pouquíssimo conhecido entre estrangeiros e este foi o motivo pelo qual eu “penei” um pouco para encontrar informações sobre o local.

natureza na china Jiuzhaigou Valley Foto: Patricia Schussel

natureza na china Jiuzhaigou Valley Foto: Patricia Schussel

Piscina Natural em Jiuzhaigou Valley

natureza na china Jiuzhaigou Valley Foto: Patricia Schussel

Não da nem para saber a profundidade da água de tão transparente – Piscina Natural em Jiuzhaigou.

natureza na china Jiuzhaigou Valley Foto: Patricia Schussel

Para minha sorte, nas poucas pesquisas bem sucedidas sobre o parque que eu consegui fazer na época, eu encontrei imediatamente um outro pedaço de paraíso que parecia vir de “brinde” para meus olhos e o nome deste lugar será o próximo item na sua listinha de lugares no mundo a se conhecer:

HUANGLONG NATIONAL PARK

No meio de uma estrada remota um pouco antes de chegar em Jiuzhaigou, está localizado um daqueles cenários que eu sempre pensei só existir em grandes produções dos filmes orientais. As montanhas com cumes cobertos de neve em pleno verão formam a mais bela de todas as geleiras chinesas. Devido a milhares de anos de evolução geológica somados às condições climáticas da região, Huanglong é dona de paisagens únicas com formações espetaculares de pedra calcária dando vida às inúmeras piscinas naturais de cores vibrantes e mármore mundialmente famosas, cachoeiras e fontes termais, as principais atrações de Huanglong. A área também conserva uma população de animais em extinção como o panda gigante e o macaco dourado de Sichuan, que como qualquer animal em seu habitat natural, são difíceis de serem avistados próximos aos visitantes. A natureza na China é algo mesmo incrível.

natureza na china Huanglong Foto: Patricia Schussel

natureza na china Huanglong Foto: Patricia Schussel

natureza na china Foto: Patricia Schussel

Piscina Natural

Como chegar em Huanglong e Jiuzhaigou:

A melhor e mais barata maneira de se chegar ao parque é saindo de Chengdu, capital da província de Sichuan, também famosa por ser a terra dos simpáticos ursos pandas e estar na fronteira com o Tibete. Vale a pena um passeio por Chengdu antes de começar a viagem até os parques.

natureza na china Foto: Patricia Schussel

Centro de Reprodução de Pandas em Chengdu

De Chengdu você tem duas opções:

1 – Pegar um avião pequeno com um preço bem salgado até o aeroporto de Jiuzhai, localizado em um vilarejo vizinho ao parque chamado Songpan, e de lá fazer os translados com vans organizadas por uma agência ou em ônibus locais.
2 – Fazer a viagem toda por conta própria em ônibus com uma parada obrigatória em Songpan e de lá continuar com transporte local.

Eu obviamente optei pela segunda opção que era incomparavelmente mais barata.
É importante ficar muito atento quando pedir informações, pois muitos chineses tentam te enganar de várias formas para que você compre a opção mais cara e, como a China é muito limitada para conseguir certas informações, você acaba acreditando no que te falam sem muita opção. Pra você ter uma ideia, este era o destino que eu mais queria conhecer na China, mas eu só soube da opção de ônibus depois que eu cheguei a desistir da viagem porque o preço ficaria inviável – até o funcionário do hostel de Chengdu onde eu estava hospedada me convenceu que não havia outra opção além do avião. Quando ele viu que eu realmente não iria, ele se “lembrou” de repente que existia uma alternativa muito mais econômica.
É bastante cansativo, mas minha dica é tentar conversar com várias pessoas, principalmente com quem não iria se beneficiar com sua viagem, pois com certeza irá encontrar locais dispostos a te ajudar.

A viagem:

De Chengdu para Songpan são cerca de 350km em uma estrada cheia de curvas e irregularidades, que acaba estendendo bastante a duração da viagem. Passar uma noite em Songpan é obrigatório pois a viagem acaba sendo longa demais para chegar à um dos parques em tempo de aproveitar e esta é a cidade mais próxima de Huanglong, o primeiro parque que você irá visitar.

Apesar da parada não ser facultativa, pode ter certeza de que vale a pena conhecer Songpan, uma cidade história super simpática, charmosa e interessante de se visitar, com um destaque especial para as pessoas que são super queridas e atenciosas, mais do que em qualquer grande cidade chinesa. Inclusive, curiosamente esta foi a cidade onde eu mais encontrei pessoas que conseguiam se comunicar em inglês, dando um baile nas grandes metrópoles – veja bem, “se comunicar” não significa que a pessoa está apta a tirar um TOEFL, na China isso apenas significa que ele não tem medo de você, consegue te entender e se fazer entender, que é o que importa… não espere grandes conversas porque comunicação por lá não é a tarefa mais fácil da vida.

natureza na china Foto: Patricia Schussel

Senhorinhas conversando no centro do vilarejo de Songpan

natureza na china Foto: Patricia Schussel

A vida no vilarejo de Songpan

Fazendo este trajeto, o mais óbvio é que você visite primeiro o Huanglong National Park, que tem acesso de ônibus extremamente fácil saindo de Songpan, parando na entrada do parque.
Depois de visitar Huanglong, você pode pegar o mesmo ônibus que o levou até ali e seguir viagem para Jiuzhai, o vilarejo onde fica o Jiuzhaigou National Park, onde você encontrará diversos tipos de hospedagem para passar a noite e sair muito cedo na manhã seguinte para o parque.

Caso você opte por apenas um dos parques, você pode ir de Songpan para Huanglong e voltar para Songpan após o passeio, ou ir de Songpan diretamente para Jiuzhaigou, se for esta sua escolha. Não me pergunte qual é meu favorito entre os dois se você não quiser ser convencido de conhecer ambos! Hehe. São duas belezas bem particulares e a escolha seria injusta!

A entrada dos parques não é muito barata, mas vale muito o investimento pela experiência e também pelo trabalho exemplar dos funcionários – fiquei impressionada com o cuidado excepcional com a limpeza e preservação destas reservas naturais. Meia entrada é aplicada para estudantes ou idosos com apresentação de comprovante.

Dicas para aproveitar bem os passeios:

– Ambos os parques são enormes, portanto é fundamental sair rumo aos passeios logo cedo no primeiro horário para desfrutar ao máximo todos seus encantos e também tentar fugir de tumultos.

– O parque Jiuzhaigou é realmente gigantesco e pode ser percorrido de ônibus (altamente recomendável) ou a pé, que não recomendo de forma alguma. Para tentar evitar tumultos, sugiro que comece o passeio pelo final e volte aos poucos até a entrada, assim você fará o fluxo contrário na maioria do tempo, exceto pelo momento em que você encontrará com as pessoas no meio do caminho, mas isso já ajuda bastante se você prefere curtir a paisagem sem muitas pessoas.

– Lembre-se de levar algumas comidinhas e garrafa d’água para encher nos bebedouros, caso queira economizar, pois as lanchonetes nos parques são caras e eu não fiquei muito fã da comida.

– Independente da época do ano, leve um agasalho extra para o começo e final do dia, pois costuma esfriar muito nestes períodos.

– As trilhas dentro dos parques são leves e bem estruturadas, mas é indispensável um sapato baixo e confortável, lembrando que você irá caminhar muito o dia inteiro.

Melhor época para visitar:

Cada estação do ano tem sua beleza muito particular com uma mistura de cores impressionante, não é a toa que o ingresso dos parques é um cartão postal com um mesmo cenário nas 4 estações do ano.
A minha visita foi durante o verão e as cores vivas não pouparam meus olhos, mas confesso que deixei o parque com aquela promessa de voltar pra lá em outra época do ano só para me encantar novamente.

O clima nesta região é sempre frio. Mesmo no alto verão, quando foi minha visita, eu precisei comprar um agasalho e passei um pouco de frio, portanto prepare-se pra isto. No inverno a temperatura é muito baixa e neva bastante, o que deixa o cenário simplesmente encantador, mas imagino que a sensação térmica não seja nada fácil de encarar.

Certa vez, há uns anos atrás, eu vi aquela foto de Jiuzhaigou que me motivou a conhecer a natureza na China.

Agora me diga… será que eu consegui fazer você seguir essa corrente? 🙂