Por: Vitor Marigo

Vou confessar que Gramado não era uma prioridade. Somos bichos-do-mato e o destino principal era Cambará do Sul e seus cânions, mas como tínhamos tempo para fazer uma viagem longa e tranquila, destinamos 2 noites à esta região tão famosa. Região que por acaso é o principal polo turístico do Rio Grande do Sul.

Leia Mais:

O que fazer em Porto Alegre – Roteiro de 2 dias 

Conheça as praias de Balneário Camboriú

Festival de Dança de Joinville e o que você não pode perder na cidade

Gramado fica na Serra Gaúcha e é famosa pela colonização estrangeira, principalmente de alemães, que teve início por volta de 1913. A cidade realmente é linda, muito limpa e organizada e, com aproximadamente 35 mil habitantes, lembra uma vila nas montanhas da Europa. Sua cidade vizinha, Canela (aprox. 43 mil habitantes), é igualmente organizada e uma excelente opção de hospedagem, com preços um pouco mais acessíveis e a apenas 15 minutos de carro do centro de Gramado.

A região é repleta de atrações para o turista (com grana) de Porto Alegre, como a Aldeia do Papai Noel, salões de super carros, Museu de Cera, Museu Medieval, Parque dos Dinossauros, Parque Mini Mundo etc, entre muitos restaurantes e lojas de grife. Do nosso jeito, acabamos curtindo bastante, como vocês vão ver!

DOMINGO

Rota Romântica, Gramado e Canela

Após almoçar cedo, alugamos um carro no aeroporto de Porto Alegre. O Google Maps dava o trajeto mais rápido pela BR-116 até Nova Hamburgo, RS-239 até Taquara e RS-115 até Gramado, em um total de duas horas. É a estrada maior e mais rápida, com pedágio. No entanto, não estávamos com pressa e haviam nos recomendado a Rota Romântica, pela BR-116 e RS-235. O Google Maps dava apenas 11 minutos a mais, mas é claro que não contava com nosso pit-stop em Nova Petrópolis.

A Rota Romântica vale a pena. Depois de Novo Hamburgo o trajeto é todo em mão-dupla, mas o asfalto estava impecável. Subindo a serra a estrada fica cercada de Plátanos (aquelas árvores com folhas que lembram a bandeira do Canadá) e o visual é incrível. Minha mulher não resistiu e encheu a memória do celular com vídeos de longa-metragem.

Paramos na praça central cheia de flores em Nova Petrópolis (a estrada passa na frente), uma cidadezinha também de colonização alemã, e dêmos uma volta ali no Labirinto Verde. Depois de uma porção de linguiças alemães e um chopp artesanal no restaurante da Cervejaria Edelbrau, ainda em Nova Petropólis, seguimos pela linda RS-235 até nosso hotel em Canela, o Vila Suzana Parque Hotel, onde fizemos check-in no começo da noite.

o que fazer em gramado e canela

Praça Central

o que fazer em gramado e canela

Labirinto Verde

o que fazer em canela e gramado

Chalé Vila Suzana Parque Hotel em Canela

A vontade era ficar curtindo e relaxando no delicioso chalé, com sala e lareira, mas a fome apertou e decidimos ver o centro de Canela. Estacionamos do lado da Catedral de Pedra que, para nossa surpresa, estava com um show de luzes de botar inveja em muita igreja. Jantamos sanduíches naturais no Empório Canela, um lindo bistrô/venda de livros e artesanatos, praticamente na mesma esquina da Catedral de Pedra. Depois, voltamos para o hotel.

o que fazer em gramado e canela

Catedral de Pedra

SEGUNDA-FEIRA

Cascata Caracol e Gramado

Após um café da manhã delicioso no Vila Suzana Parque Hotel, era hora de explorar as belezas naturais da região. Entramos no carro e seguimos em direção ao Norte, rumo ao Parque Caracol. Cuidado para não confundir a entrada do parque com a entrada do teleférico, que fica 1km acima na estrada. Como o teleférico estava fechado para manutenção, fomos apenas no parque.

A estrada até o portão é toda em asfalto, a entrada inteira custa R$ 20,00 e a estrutura do parque é ótima, com estacionamento, lojas, lanchonetes, centro de visitantes e trilhas bem marcadas. Ah, já ía esquecendo de dizer que tudo isso é pra conhecer a espetacular Cascata Caracol, com 131m de altura no meio de uma verdíssima Mata Atlântica.

Como um bom turista pentelho, já entrei no Parque Caracol perguntando como chegar na base da cachoeira, mas infelizmente a escadaria que dá acesso está interditada por má conservação. Mesmo sendo o Sul, nota-se que ainda estamos no Brasil. Mas não desanime! Do mirante de concreto a vista da cachoeira é maravilhosa.

Ali do lado, por adicionais R$ 12,00 (na alta temporada R$ 24,00), há outro mirante mais alto com acesso por elevador, o Observatório Ecológico. Subimos de curiosos, mas a vista não muda tanto então não é imperdível. Dos mirantes, a melhor hora para fotografar a Cascata Caracol é na parte da manhã, quando o sol bate na queda d`água, deixando o visual muito mais bonito.

Seguimos então pela Trilha do Arroio, que leva às corredeiras do Arroio Caracol por cima da Cascata Caracol. A trilha é fácil e contemplativa. Pode ser feita toda em pouco mais de meia hora e também passa pelo Centro de Visitantes. A trilha circular é ótima para ver de perto a flora da região e muitos passarinhos.

Na estrada, no caminho de volta para Canela, paramos no Castelinho Caracol. Ali conhecemos a simpática proprietária Martina, que nos contou que a linda casa hoje funciona como museu, tendo sido construída por seus bisavós descendentes de alemães em 1915, uma das primeiras residências de Canela.

O Castelinho Caracol está perfeitamente preservado e nos vários cômodos vemos mobiliário e itens típicos de colonos do começo do século passado. Ao final da visita, não perca a oportunidade de comer o apfelstrudel com nata na cafeteria da casa, receita original dos bisavós. Realmente imperdível!

Como tínhamos ficado impressionados com a beleza da Catedral de Pedra de Canela, voltamos ao centro no começo da tarde para vê-la de dia. Na frente da catedral tem aquele letreiro enorme escrito “Canela”, foto clássica.

o que fazer em gramado e canela

Catedral de Pedra

E é claro que ninguém fala de Gramado e Canela sem falar nos chocolates artesanais!

Ali na esquina da catedral, ao lado do Empório Canela, não dá para não ver a grande loja da Chocolates Caracol. Entramos, pegamos um pouquinho de cada coisa e arregalamos os olhos com a conta de quase 80 reais. Mas valeu a pena. Dica importante: apenas alguns fabricantes são realmente bons e não usam gordura hidrogenada nem conservantes. Recomendamos a Chocolates Caracol e a Prawer Chocolates.

Alimentados à base de chocolate, apfelstrudel e um par de frutas e sanduíches que roubamos do café da manhã, finalmente fomos conhecer o centro de Gramado. No meio da tarde estacionamos na glamorosa Av. Borges de Medeiros. Começamos visitando a Catedral de Gramado, a Rua Coberta e a loja da Prawer Chocolates. Mais uma vez a carteira ficou em pânico e se escondeu no fundo da mochila.

Voltamos para o carro e dirigimos até o Parque do Lago Negro. Longe das lojas de grife do centro, demos uma caminhada agradável ao redor do lago, no meio de uma grande área verde cheia de Araucárias. As famílias e os turistas curtiam o pôr-do-sol enquanto seus filhos deslizavam de pedalinho (em forma de cisne) sobre o lago. Já perto das 20h, a fome estava da cor do lago, mas tínhamos um plano!

o que fazer em gramado e canela

Parque Lago Negro

Gramado também é famosa pela alta gastronomia e, em nossa última noite, resolvemos nos permitir, e fomos conhecer o Restaurante Höppner (no Hotel Ritta Höppner). A boa experiência começou na chegada, sendo recebidos pelo simpático maître Antônio, que nos levou à nossa mesa. O salão é bonito e luxuoso, na hora você percebe que entrou em um restaurante chique.

O nome do restaurante, Höppner, já dá a dica para a especialidade: a culinária alemã. Fomos na onda do maître e pedimos o Eisbein e o Pato. Quando ele explica, você vê que a brincadeira é séria. O Eisbein (joelho de porco) é assado lentamente por 12 horas e acompanha chucrute, mostardas e batata ao molho de nata e bacon. O prato todo leva pelo menos 4 dias para ser preparado. Nesse nível.

Minha mulher foi no pato assado (lentamente por 8 horas) ao molho de frutas vermelhas, com purê de batata e legumes braseados. Para finalizar, claro que pedimos apfelstrudel. Salivando? Eu fico doido só de lembrar. O jantar sai por R$ 84,00 por pessoa + 10%, incluindo entrada, prato principal e sobremesa. Bebidas por fora. Saímos rolando, muito satisfeitos e felizes, com a sensação de que esse rombo na carteira seria de fácil digestão.

o que fazer em gramado e canela

Restaurante Höppner em Gramado

TERÇA-FEIRA

Parque da Ferradura

Acordamos com calma, ainda em êxtase com o jantar da noite anterior, tomamos mais um café da manhã delicioso e fomos visitar o Parque da Ferradura, que fica a meia hora de carro do centro de Canela. Não tínhamos muito tempo disponível, pois ainda íamos viajar para outra cidade neste dia, então fizemos uma visita rápida.

A entrada inteira custou R$ 12,00 e fizemos as trilhas dos dois mirantes, muito rápidas, bem sinalizadas e leves, com um visual incrível para a curva de 180º que faz o Rio Caí, criando o formato de ferradura que dá nome ao parque. Saímos com gostinho de quero mais, sem fazer a Trilha do Rio Caí, que é mais avançada e leva em torno de 1h cada trecho, com descida forte até a Cachoeira do Caçador.

De volta ao carro, seguimos então para nosso próximo destino, os Cânions de Cambará do Sul.

Onde ficar em Gramado?

Pousada Gramadense 

Hotel Alpestre 

Hotel Alpen Hof

Hotel Serra Azul 

Onde ficar em Canela?

Vila Suzana Parque Hotel (aprox. R$ 250,00 a diária de casal no chalé)

Hotel Carpevita 

Hotel Serra Nevada

Grande Hotel Canela 

Laje de Pedra Hotel & Resort

Onde comer em Gramado e Canela?

Restaurante Höppner  (aberto todos os dias de 12-15h, 16:30-18h e 19-23:30h)
Empório Canela (aberto todos os dias de 11:30 às 23h, fechado às terças)

Atrações em Gramado e Canela:

– Parque Caracol (aberto todos os dias de 9h às 17:30h)
– Teleférico do Caracol (aberto todos os dias de 9h às 17:30h)
– Parque Ferradura (aberto todos os dias de 9h às 17:00h, fechado às segundas)
– Castelinho Caracol (aberto todos os dias de 9-13h e 14:20-17:40h)

 

Sobre o autor: 

Vitor Marigo é carioca, fotógrafo profissional, formado em publicidade e co-criador da empresa de turismo RioXtreme. Seu gosto por aventuras começou cedo, acostumado a acompanhar seu pai, um importante fotógrafo de natureza, em viagens Brasil e mundo afora. Hoje, contribuiu frequentemente para importantes exposições e publicações, e sua paixão é documentar as infinitas belezas naturais do nosso país.

Instagram: @vitormarigo