Me disseram que seria difícil, e de fato é, em todos os sentidos dessa palavra.

É difícil colocar em palavras como é subir um vulcão ativo a 5.600 metros de altitude, e mais difícil ainda tentar descrever o sentimento de chegar lá.

Leia Mais:

Conheça o Treeking de Torres del Paine, o mais impressionante do Chile

Passeios pelo Atacama no Chile

Uma visita ao Sul do Chile

Foi difícil pegar no sono com tanta ansiedade, foi difícil acordar com medo do que estava por vir, foi difícil trocar minha cama quentinha às 4h da manhã pra encarar vários graus negativos lá em cima, foi difícil respirar o ar rarefeito da altitude, foi difícil caminhar devagar pra respeitar meus limites, foi difícil entender as reações do meu corpo com a falta de oxigênio, foi difícil controlar a mente pra não passar mal, foi difícil subir ao cume depois de chegar na parte onde a maioria desiste… definitivamente foi difícil.

Mas difícil mesmo foi não me emocionar chegando lá no topo diante de uma cratera imensa recheada da forma mais viva e imponente da natureza. Foi difícil não pensar na nossa insignificância diante daquilo tudo, difícil não acreditar que tudo é possível, difícil não imaginar o motivo de estarmos aqui, difícil não ser grata por essa experiência e difícil não querer repetir tudo isso de novo… difícil, isso sim foi difícil!

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

O Chile está entre os países com mais vulcões ativos no mundo, aproximadamente 95 vulcões que podem entrar em erupção a qualquer momento. O deserto do Atacama, no entanto, é repleto de vulcões adormecidos há centenas de milhares de anos e o Láscar é um dos três que ainda estão ativos. Das cinco crateras que compõem o vulcão, apenas uma delas está ativa e é também a única cratera da região com atividade monitorada, tornando-a também a mais explorada pelos aventureiros que visitam o Atacama.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Placa sinalizando a área do vulcão.

COMO SUBIR O LÁSCAR:

O acesso ao início da trilha para subir o Láscar pode ser localizado sem ajuda de um guia e também é possível fazer a trilha por conta própria. No entanto, como subir o Láscar se trata de uma trilha pouco marcada que já começa em grande altitude e pode trazer diversas reações físicas inesperadas, é fundamental estar acompanhado de um guia especializado em montanhismo que irá te auxiliar na subida para evitar qualquer complicação, a não ser que você seja realmente experiente nisso.

Eu fiz com a agência Sorbac Atacama e o Pablo, um dos melhores guias de montanha do Atacama, foi meu guia. Diferente das demais agências de San Pedro, na Sorbac o valor do passeio varia conforme a quantidade de pessoas que irá subir e vale em média entre R$400 à R$500 por pessoa (valor de janeiro de 2016). Se tiver flexibilidade de dias na sua viagem, é interessante combinar com antecedência com a Sorbac para ter maior possibilidade de encaixe em um grupo para subir o Láscar e um desconto maior no valor.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Pessoal da trilha junto com o instrutor Pablo.

COMO SE PREPARAR:

Subir o Láscar não exige o melhor condicionamento físico de todos e não tem nenhuma dificuldade técnica na trilha, mas ela acaba se tornando uma trilha bastante temida pela altitude que dificulta muito o acesso ao vulcão. Dependendo das condições do acesso à trilha com o veículo, a caminhada se inicia à mais de 4.500 metros de altitude, que pode causar muita dor de cabeça, enjoo, falta de ar, fraqueza, tontura, entre outros sintomas.

Você vai sobreviver à tudo isso, não precisa se assustar, mas é bastante desagradável se isso acontecer portanto é essencial tomar alguns cuidados antes e durante a aventura.

Aqui vão algumas dicas fundamentais para a preparação que podem ser cruciais para seu bem-estar durante a subida:

– Estar aclimatado na medida do possível com a altitude. Se você tiver vários dias no Atacama, deixe a trilha para os últimos dias e tente fazer diversos passeios na altitude previamente para aclimatar o corpo e sentir como seu organismo reage à altura;

– Tomar ao menos 2 litros de água no dia anterior e também ingerir muita água durante a subida;

– Se alimentar bem no dia anterior, preferencialmente com comidas ricas em carboidratos e açúcares que dê bastante energia mas que sejam de fácil digestão;

– Evitar carne vermelha no dia anterior;

– Não ingerir bebidas alcoólicas nos 2 dias que antecedem a subida;

– Dormir cedo e descansar bem no dia anterior;

– Tentar fazer qualquer necessidade fisiológica antes de sair para o passeio. Eu sei que essa parte é a mais difícil, mas a altitude combinada com esforço físico pode soltar o intestino durante a trilha e não há muitas maneiras de ter privacidade na subida ao vulcão.

O PASSEIO:

O caminho desde San Pedro do Atacama até a base sudeste do vulcão, por onde se inicia a trilha, leva quase 2 horas de viagem, portanto é fundamental sair ainda de madrugada antes das 5h da manhã pois, acredite: ninguém quer subir um vulcão com um sol escaldante na cabeça. Além disso, o vento lá no topo durante a parte da tarde fica muito mais forte e é quase impossível de suportar então quanto mais cedo chegar, melhor.

Saindo de San Pedro a temperatura estará bastante amena, mas é importantíssimo não subestimar o frio e já entrar no carro BEM agasalhado, pois a próxima vez que você pisar pra fora do carro, já estará em média 5 graus abaixo de zero.

A primeira parada já é de tirar o fôlego! Calma, calma… ainda não é por causa da subida, mas sim pela beleza de uma das lagoas mais lindas do Atacama, a Laguna Lejía – torça pra pegar uma dia sem vento, como eu dei a sorte de pegar, quando a lagoa reflete impecavelmente todas as lindas montanhas ao redor – olha aí nas fotos o resultado!

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

O reflexo do Lago Lejía.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

O caminho até a Laguna Lejía também é fantástico, mas como ainda está escuro na maioria do caminho, só é possível curtir o visual no caminho de volta. Chegando na lagoa, os meninos da Sorbac Atacama montam e servem um delicioso e super reforçado café da manhã exatamente com essa vista super privilegiada – nada mal, né?! O duro foi ter coragem de tirar as luvas pra comer porque o frio por lá não dá trégua!

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Café da manhã calórico no pé do vulcão Láscar.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Alimentos ricos em calorias para aguentar a trilha e o frio.

Pra quem gosta de sempre manter a linha na alimentação, eu já vou logo avisando que essa não é a hora. O café da manhã antes de começar a subida é propositalmente muito calórico e o Pablo, nosso guia, ficou no pé de todo mundo pra que todos se alimentassem muito bem, afinal, tem que garantir a energia para o desafio que vem pela frente.

Depois que todos estão alimentados, ele começa uma série de instruções ainda alí na Laguna Lejía (em espanhol e em português também) sobre como será a subida, qual a melhor forma de subir, como iremos manter nossa respiração, como iremos nos comunicar, enfim… explica tudo que é necessário saber para que se converse somente o que é estritamente necessário lá em cima, pois ficar conversando com o ar rarefeito cansa em dobro (eu que sou super falante, sofri um bocado! Haha).

Na sequência todos usam o nosso queridíssimo “baño ínca” em algum lugar da natureza, e aí seguirmos com o carro por mais 20 a 30 minutos rumo ao vulcão, até o máximo que se conseguir subir no dia.

TEMPO DE SUBIDA E DESCIDA:

Dependendo das condições climáticas, a subida pode variar entre 3 horas até a cratera do vulcão, se o clima estiver bom e a base do vulcão estiver sem neve, e pode chegar a até 5-6 horas de subida se grande parte da base estiver nevada.

Essa variação também depende muito da resistência e condicionamento do grupo pois todos sempre irão respeitar o mesmo ritmo, que o guia estipula e é sempre MUITO devagar – não pense que essa é como qualquer outra trilha que você costuma fazer onde você está habituado a caminhar no seu próprio ritmo, pois isso não vai acontecer. A trilha em altitude deve ser extremamente pausada, controlando e escutando bem sua respiração e seguindo cada passo junto com ela.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Subindo a trilha do vulcão.

Quando a trilha dura mais tempo, cerca de 5 horas para subir, isso acontece principalmente por dois motivos: porque o carro não consegue se aproximar tanto do vulcão, tornando o percurso muito mais longo, e porque a subida fica muito mais difícil e cansativa com neve no caminho. Eu tive “sorte” de não pegar neve, apesar de que o visual ficaria muito mais incrível se tivesse tudo branquinho, então consegui subir no tempo mínimo de 3 horas até a cratera e levei mais 30 minutos extra para subir até o cume (que nem todos sobem e é de longe a parte mais íngreme e cansativa de toda a trilha). A descida leva em torno de 2 horas tomando muitos tombos e escorregando pedrinhas abaixo, hehe – não é perigoso, mas como a descida é bem ingrime e com muitas pedrinhas miúdas, não tem muito como evitar os tombos então o jeito é levar no bom humor e dar risada!

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Chegada da trilha com essa vista única.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Descida da trilha.

O QUE VESTIR:

A temperatura no vulcão durante o verão varia entre 5 à 12 graus negativos e pode ser ainda mais fria no inverno, quando é muito comum fazer a trilha com neve durante todo o percurso.

Para aguentar essa friaca toda, vou deixar algumas dicas importantes de como se vestir:

– 2 camadas na parte inferior – uma calça térmica por baixo e outra calça para bloquear o vento por cima, preferencialmente confortáveis que não limite muito seus movimentos.

– 3 camadas na parte superior – uma segunda-pele térmica por baixo, um “fleece” (que são aquelas blusas bem quentinhas feitas de flanela) e um bom casaco quebra-vento.

– Uma toca quente, luvas, óculos (item importantíssimo!), cachecol e lenço estilo balaclava ou alguma bandana para proteger o rosto do frio e do sol.

– Tênis apropriado para trilha com solado aderente e duas meias quentes.

OBS.: A Sorbac Atacama empresta qualquer uma destas vestimentas específicas caso você não tenha.

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Saber o que vestir para a trilha do vulcão Lascar é item indispensável!

como subir o lascar Foto: Patricia Schussel

Vulcão Lascar ao fundo no Deserto do Atacama.

O QUE LEVAR:

– Regra #1: Água, MUITA água!
O recomendável é ingerir ao menos 2 litros de água durante a subida, fora o que se deve ingerir no dia anterior e no caminho até a base do vulcão – água nunca é demais quando estamos na altitude!
– Papel Higiênico e sacolinha para carregar seu próprio lixo.
– Hidratante e protetor labial – para o frio extremo e o clima extremamente seco do deserto, o mais recomendado é usar a pomada Bephantol Baby, que serve não só para os lábios como para qualquer região do corpo que esteja muito ressecada.
– Protetor solar forte para rosto e para lábios.
– Remédio analgésico para dor de cabeça – por precaução caso sofra um pouco com o mal de altitude.

Localização:

Agora me diga… mesmo com tantos obstáculos, será que valeu a pena cada segundo dessa experiência inesquecível? Sim ou com certeza? 😉