Em outubro do ano passado aproveitei minha viagem ao Chile para fazer o combo Deserto de Atacama + Salar de Uyuni, o famoso deserto de sal de mais de 1o mil km² da Bolívia. Quando pensei em fazer o passeio ao Salar uma palavra veio automaticamente à minha mente: perrengue. E é isso mesmo, gente! A não ser que você esteja com dinheiro de sobra para bancar um tour privativo e se hospedar nos raros hotéis mais confortáveis no trajeto ao Salar, você vai viver e passar por perrengues, mesmo contratando tour especial com agências que cobram caro por passeios coletivos.

É preciso dizer adeus à frescura (aka higiene) e encarar banheiros pagos absolutamente sujos com cheio forte e sem descarga (haja baldinho), além de ficar um dia sem ducha – isso mesmo, viva o lencinho umedecido e a vontade de explorar esse paraíso natural!

Pra começar: escolha uma agência para fazer o passeio. Eu saí do Brasil com alguns nomes de agências recomendadas em mente, mas preferi esperar e só decidi quando cheguei em San Pedro do Atacama. Escolhi um passeio de 4 dias/3 noites com a Estrella del Sur.  O valor fechado, com desconto depois de algum choro, foi de 105 mil pesos chilenos (aproximadamente R$ 600,00, na cotação atual). Negociar por alí é preciso. O preço “original” era de 120 mil pesos chilenos!

O pacote incluía:  o microônibus até/desde a fronteira Chile/Bolívia, as três noites de acomodação (uma em quarto coletivo, outra em quarto duplo e a terceira com possibilidade de quarto duplo), refeições e bebidas durante as refeições ( rolou até uma garrafa de vinho durante os jantares), além do botijão de oxigênio para quem sentisse mal-estar relacionado a altitude (que supera 5 mil metros em alguns lugares).

Não estavam inclusos: água, as entradas para o Parque Nacional Reserva (150 bolivianos, ou aproximadamente 12 mil pesos chilenos, ou R$68) e para o Parque Nacional Isla Incahuasi (30 bolivianos, ou aproximadamente 4 mil pesos chilenos, ou R$ 22), além da taxa de fronteira de saída da Bolívia (15 bolivianos, ou aproximadamente 2 mil pesos chilenos, ou R$ 11).

Algumas pessoas dizem que pagaram 2 vezes a taxa de fronteira. Atenção: você só precisa pagá-la uma vez – na saída. Se alguém indicar o contrário, insista! #ficaadica

 DAY BY BAY 

O primeiro dia:

Você pega um microônibus com capacidade de +ou – 20 pessoas até a fronteira, passa pela imigração e segue para o lado boliviano (onde nós vimos neve, aliás). Lá, você fica na fila para pagar a taxa e depois espera que te coloquem no seu SUV/Jipe com seu grupo – de até 6 passageiros. Eu e meu namorado, que é francês, ficamos num jipe com 2 outros jovens franceses e 2 meninas islandesas. Todos eram muito simpáticos.  Talvez para as islandesas devem ter tido momentos meio chatos, isso porque elas não falavam francês e como um dos franceses não falava inglês o tal do francês sempre surgia nas conversas.  #pardonmyfrench

Bem, é bom que vocês gostem mesmo das pessoas do seu carro, pois você vai dormir com todas elas na 1 noite num quarto coletivo e, dependendo do seu pacote e/ou sorte, na última também hahaha.

jantar hostel salar de uyuni

jantar hostel salar de uyuni

Dentre as paradas turísticas pelo percurso até o alojamento, destacam-se as Lagunas Blanca, Verde e Colorada, o Deserto Dalí, as Águas Termais. Esse foi sem dúvida o dia mais frio de nossa viagem (sério, eu virei picolé) e o único dia de tempo “feio”, bem nublado durante boa parte do dia. Eu não tive coragem de entrar nas águas termais (óbvio), mas meu namorado entrou e disse que foi bem melhor que a experiência no Chile, pois dessa vez a água estava bem quentinha mesmo.

laguna verde bolivia

laguna verde

deserto dali

Deserto Dali

O alojamento era apenas com quartos coletivos. Sem chuveiro, o banheiro não tinha descarga e o odor era forte – inclusive no lado de fora, onde tinha uma fossa com dejetos etc e tal haha. Apesar disso, a comida foi surpreendentemente boa. Tudo muito simples, mas em abundância. Pense no clássico macarrão com salsicha, sopa, vinho, banana e tivemos também até um “chá das 5” com biscoitos. Tudo bem gostoso e fora do esperado! O alojamento fica de frente para a Laguna Colorada, onde você vê vários flamingos. Lugar bem bonito, apesar de precário.

Segundo Dia:

No 2 dia saímos por volta das 7:30am para visitar a Árvore de Pedra, as Lagunas Altiplânicas, Honda, Hedionda, Cañapa, Chiarcota, ver o vulcão Tomasamil, o mirante do Vulcão Ollague, o Salar de Chinguana, entre outras atrações. Esse dia foi com certeza o meu favorito, pois sou apaixonada pela paisagem das lagunas e flamingos – e na Bolívia se vê mil vezes mais flamingos que no Atacama.

laguna honda bolivia

laguna honda

flamingos bolivianos

flamingos bolivianos

Terminamos o dia chegando ao Hostal de Sal Tambo Loma, uma pousada toda feita de sal (meu namorado lambeu a parede para comprovar hahahah), é a melhor acomodação de toda a viagem! O Tambo Loma, apesar de ser simples, tem eletricidade (limitada) e é muito bem cuidado. Os quartos duplos com banheiro são super confortáveis e a comida também correspondeu as expectativas. Gostei muito.

Como não há literalmente nada perto para se fazer a noite: a boa é curtir o céu incrivelmente estrelado. Maravilhoso!

hostal de sal tambo loma

QUARTO HOSTAL DE SAL TAMBO LOMA

Terceiro Dia:

Depois de um dia repleto de lugares magníficos, acordamos cedo e partimos antes das 5am para ver o nascer do sol no Salar de Uyuni, enfim! De lá, visitamos a Isla Incahuasi, no meio do salar, onde existe uma espécie de “plantação” de cactos e uma vista imbatível do horizonte. Visitamos ainda o museu do falar (nada demais), um “cemitério de trens” e um povoado para comprar artesanato (naquele estilo “parada para gringo”), onde tudo era ainda assim muito mais barato que no Chile.

Depois disso fomos para mais um alojamento, simples e mais confortável que o do primeiro dia. Nosso grupo deu muita sorte: como estava “cheio”, fomos alocados em quartos duplos com banheiro privativo (só ficou faltando mesmo a ducha, mas na vida e em certas viagens não se pode ter tudo né? Rs).

nascer do sol salar de uyuni

Nascer do Sol

salar de uyuni bolivia

Último Dia:

No 4 e último dia, levanta-se cedo e a direção ao Chile. Chega-se à San Pedro de Atacama por volta das 12h30, depois de algum tempo “perdido” na fronteira.

cemitério de trens bolivia

Cemitério de Trens

Apesar de todos os perrengues, a viagem ao Salar de Uyuni valeu muito a pena! Fizemos dois bons amigos, tivemos guias muito legais, demos sorte em algumas ocasiões e visitamos lugares de tirar o fôlego. Se posso deixar algum conselho ao caro leitor é: faça essa viagem o quanto antes, de preferência antes dos 30 anos. Depois disso meu amigo, haja coragem para encarar horas de carro e todas essas limitações, viu!