Choquequirao, a cidade irmã de Machu Picchu, é um dos segredos que valem ser desvendados no país. O sítio arqueológico guarda mil e uma riquezas do mundo antigo em uma atmosfera ainda desconhecida pelo turismo convencional.

Escondida entre as florestas subtropicais dos Andes, Choquequirao é um dos mais remotos assentamentos Incas. Seu nome significa, na língua nativa, “berço de ouro”. Não à toa, o complexo arqueológico começou a chamar bastante atenção de arqueólogos e pesquisadores por sua semelhança com Machu Picchu. A cidade perdida possui vestígios de igual importância e história e tem se tornado conhecida como a “irmã sagrada” da mais famosa cidade Inca do mundo.

Vista do alto das ruinas de Choquiquerao

Enquanto Machu Picchu recebe cerca de 2,500 turistas por dia, Choquequirao continua uma cidade perdida e deserta. O motivo das poucas visitas é bastante evidente, já que é preciso encarar 4 a 5 dias de trilha longe de qualquer estrada ou chuveiro quente para chegar lá. A recompensa, porém, vale qualquer esforço: conhecer uma cidade Inca reclusa a mais de 500 anos, símbolo genuíno da resistência da civilização durante o avanço dos conquistadores.

Trilha para as ruinas de Choquiquerao

Trilha para as ruinas de Choquiquerao

Trilha para Choquiquerao no meio das nuvens

Diversas teorias falam sobre a função da cidade na rede de distribuição e povoamento das cidades andinas, algumas acreditam que Choquequirao era um importante centro cultural e religioso. Outras, falam sobre a cidade como um ponto estratégico que ligava a floresta com outros centros do império. A cidade está organizada em nove grupos arquitetônicos, com sistema de plataformas e irrigações, além de moradias e templos similares aos de Machu Picchu.

Choquequirao foi escolhido como o melhor destino na lista “Best In Travel 2017”, publicada pelo conceituado guia Lonely Planet. Nós encaramos a trilha de quatro dias, a quase 3.500 metros de altitude, para conhecer a cidade perdida e anotamos todas as dicas para vocês:

Como chegar

Cusco é a cidade mais indicada para chegar ao Peru antes de começar a trilha. Reserve alguns dias por lá para aclimatação à altitude, além de aproveitar para conhecer as maravilhas da região (confira o nosso primeiro post da série sobre o que fazer em Cusco, clicando aqui).

Para chegar ao começo da trilha até Choquequirao, são quatro horas de van saindo de Cusco. Existem duas opções para o início da trilha: a mais nova opção é sair de Capoliu. Uma estrada foi aberta recentemente até lá economizando entre 2 a 2h30 de caminhada. A outra opção é começar pelo caminho antigo, e mais longo, saindo de San Pedro de Cachora.

A trilha se inicia em Capuliu

As empresas que oferecem o passeio preferem sair de Capolui porque podem fazer a trilha em 4 dias e não mais em 5 dias.

 

O que você precisa saber antes de ir

O mais importante é saber o que é indispensável para levar na mala:

  • Lenços Umedecidos;
  • Papel Higiênico (99% dos pontos de parada não fornecem),
  • Repelente;
  • Dorflex ou similar;
  • Meias confortáveis;
  • Filtro solar;
  • Chapéu com proteção de pescoço ou algum lenço para usar no pescoço;
  • Lanterna.

A trilha para Choquequirao

A experiência de Choquequirao começa muito antes da chegada à cidade. O trekking é uma parte tão incrível quanto o próprio objetivo final. O caminho, de cerca de 30 km, atravessa cenários deslumbrantes e inesquecíveis. Atravessa vales, cânions de até 2.000 metros, povoamentos rurais, e uma floresta densa e rica em fauna e flora. É comum por ali encontrar veados, ursos-de-óculos (tivemos a oportunidade de ver um no alto da montanha), entre outros animais selvagens. O trajeto começa no rio Apurímac e continua em ascensão, passando pelos fazendas Santa Rosa e Marampata, até chegar a Choquequirao. O esforço é recompensado não só com a paisagem, mas com os mistérios intrigantes deste povo com cultura milenar.  

1º dia

Saímos às 8h do hotel de Cusco com destino a Passo de Capuliyoc, que fica a 6- 7km (cerca de 2h de caminhada) de Cachora. Por lá, fica um pequeno restaurante que serve almoço (que custa entre 20-25 soles) e um mercadinho, onde é possível comprar água, comida, chapéu e até outros souvenirs.

restaurante localizado em Capuliu

Nossa próxima parada foi depois de 7km de caminhada forte. A maior parte do tempo é de descida mas não se engane, é muito cansativo. Quem tem problemas no joelho, principalmente, precisa ter muito cuidado. No caminho é possível ver as montanhas geladas Padrayoc (5.482 m) e Wayna Cachora – sem falar na vista impressionante do Vale Apurimac. Depois de 4 horas de caminhada chegamos ao acampamento Chiquisqa, onde passamos a primeira noite.

Vista das montanhas durante a trilha para Choquiquerao

2º dia

Acordamos por volta das 06:00h, tomamos um café reforçado com frutas, omelete e até geleia, tudo isso para estarmos preparados para os 11 km ( 3 km de descida e mais 8 km de subida)do dia. Foram 5 horas de caminhada até a parada para o almoço (10km) em Marampata.

café da manhã reforçado antes da trilha

Existem outras opções para descanso no caminho, o primeiro fica na Playa Rosalina (4 km de Chiquisqa), depois tem Santa Rosa (6 km de Chiquisqa) ou Santa Rosa Alta ( 7 km de Chiquisqa) até chegar em Marampata. A trilha é bem pesada e cansativa, o que nos deu direito a câimbras nas 2 pernas. O almoço foi servido em uma tenda montada pela equipe.

Depois do descanso, caminhamos mais 2h30min (incluindo uma parada de 25 min) em cerca de 2-3 km. Este é um trecho menos cansativo que o anterior. O controle está em uma área que se chama Sunchupata, onde é preciso pagar 60 soles para entrar no parque.

Passamos a noite no acampamento Choquequirao, que fica cerca de 40 min da cidade de Choquequirao.

Barracas de camping individuais durante a trilha para Choquiquerao

3º dia

Dia de madrugar para conhecer a cidade sagrada. Acordamos às 5h15 am, com direito à um café da manhã delicioso servido às 06:00h porque queríamos sair bem cedo para explorar Choquequirao.

Depois do café, uma caminhada de cerca de 40-50min até finalmente, chegar a cidade perdida de Choquequirao. A primeira parada foi em Uzno – um ponto de observação astronômica e  onde eram feitos sacrifícios na civilização.

trilha choquiquerao no peru Foto: Bruno Tavares

Entrada de Choquequirao

trilha choquiquerao no peru Foto: Bruno Tavares

Explorando a cidade perdida

Caminhamos até a praça maior ou central (das armas) e tivemos que caminhar (subidas e descidas como sempre) para chegar em outras partes da cidade, como o templo e a casa dos Reis. Descemos por cerca de 20 min até o local onde ficavam as Lhamas (Terraço de lhamas do sol). Depois subimos até o topo onde estão localização as casas dos nobres – área Hanan pata – local com uma vista muito privilegiada. Foram cerca de 4:30h para explorar o sítio arqueológico. Além da história, cultura e mistérios, Choquequirao oferece uma vista belíssima da região.

Voltamos andando até nosso acampamento para almoçar, descansamos 1 hora e depois seguimos na caminhada por 4 horas, até chegarmos em Marampata, local onde passamos a noite. Além disso, as instalações neste acampamento são ótimas, com chuveiro quente (custa 10 soles) – uma ótima notícia após quase 3 dias sem acesso à água quente.

4º dia

Última noite dormindo em barracas e chegou a hora de partirmos para o trecho final dessa longa jornada. Pela marcação peruana, são 7 km de caminhada até o Mirador de Capuliyoc.

Mirante de Capuliu

Acordamos às 4h00 am. O café da manhã foi servido às 04h30h e às 05h15 estávamos na trilha. O percurso foi completado em 2h40, muito mais rápido e menos sofrido do que o esperado. Depois da chegada ao Mirador de Capuliyoc, às 09h30 saímos de van para San Pedro de Cachora para um almoço especial de despedida.

O almoço especial se chama “Pacca manca”. Para a refeição, eles acendem uma fogueira e jogam muitas pedras, depois que elas estão bem quentes (entre 1-2 horas no fogo), eles tiram as chamas e colocam vários tipos de batatas por baixo, cobrem com algumas pedras, depois colocam as carnes temperadas (tinha Cordeiro, frango e porco) e jogam outros vegetais e folhas verdes por cima. Depois é só cobrir tudo e esperar 25 min.

O resultado foi uma delícia de almoço, combinado com salada de tomates e ceviche de cogumelos. Mais 3 horas e meia de estrada e Cusco é a nossa parada final, depois de quatro dias de caminhada e cinco dias sem celular e internet (o que é uma vantagem e tanto, que tem se tornado cada vez mais rara em viagens).

Pacca manca preparada direto na terra com pedras quentes

Pacca Manca é preparada com pedras quentes, direto em um buraco no chão

Foi uma aventura cheia de desafios físicos e mentais, mas satisfação e contato com a natureza são inigualáveis. Explorar Choquequirao é uma experiência perfeita para quem adora turismo de aventura, com uma recompensa final de conhecer uma cidade milenar e reclusa, cheia de segredos ainda pouco desvendados pelo turismo convencional.

Quer saber mais sobre o Peru? Confira nossos outros posts: 

O que fazer no Peru?

Ano novo em Cusco no Peru

Planeje sua viagem:

Encontre sua hospedagem em Cusco no Peru no Booking.com

Garanta seu Seguro Viagem com desconto pela Seguros Promo